Cristãos, o que vocês andam assistindo?

Começamos por reconhecer que as mensagens da mídia não são nada novas. Essencialmente, o nosso mundo apresenta as mesmas seduções que o mundo do apóstolo João possuía há cerca de dois mil anos.  
Para a maioria das pessoas, a mídia é o pano de fundo quase onipresente da vida. Mesmo que você não se encontre em cada cena do anterior cenário cotidiano, você não é menos envolto.

Soa familiar?

Considere um dia de uma típica família adulta. Os momentos ao acordar começam com o alarme do rádio noticiando o clima, tráfego e as manchetes. O café da manhã é engolido com um acompanhamento de notícias de negócios e tópicos do jornal da manhã. 

Então o trajeto para o trabalho, onde a companhia para dirigir é um talk show de rádio apresentado em um frenesi político ou um stand up com um homem cuja língua libera uma cachoeira de humor bruto. 

Assine o Blesss

No escritório, checar o email apresenta oportunidades na manhã para um pouco de navegação extracurricular para comprar um presente de aniversário, checar um blog favorito, e se atualizar com as últimas novidades das celebridades. O almoço na sala de descanso é gasto acessando a revista de esportes favoritas online, enquanto um programa de TV é exibido acima de nós, mostrando os últimos desejosos da fugaz fama. De volta ao tédio do cubículo da tarde, uma aventura virtual pode ser achada em um vídeo game na internet oferecendo um objetivo para dominação global. 

Quando a tortura do trabalho cessa, dirigir para casa provê uma pausa a mente e um nostálgico relaxamento, como uma velha canção em um rádio. A viagem pela estrada da memória é interrompida por uma parada no treino de futebol para pegar uma jovem filha que avidamente se agacha e cumprimenta calorosamente o personagem da Disney que ganha vida na tela do DVD que desce no banco de trás. 

Depois de um beijo de boas-vindas da esposa – e um beijo mais amigável do cachorro -, vem o irresistível sinal para entrar na netflix, pegar o controle remoto e escanear todas as opções para tirar o fio do cansaço do dia de trabalho. Após o jantar, a TV ilumina a sala da família enquanto todos se reúnem para desfrutar dos sitcoms mais badalados, reality shows e novelas. 

O dia termina com um arrastar sonolento da voz reconfortante de um apresentador que recapitula as manchetes na TV do quarto. 

Cercados pela mídia 

Para a maioria das pessoas, a mídia é o pano de fundo quase onipresente da vida. Mesmo que você não se encontre em cada cena do anterior cenário cotidiano, você não é menos envolto. Em casa, no carro, na loja, em um restaurante, até mesmo no posto de gasolina (Eu tenho visto um noticiário em uma tela pequena no posto), a perpétua linha de vida da mídia continua. Nós nunca estamos além de seu alcance. Nós estamos tão imersos que a mídia parece uma segunda atmosfera, de fato, um autor define nosso ambiente cultural como a “mídiaesfera”. Nós não pensamos mais nisso do que pensamos no ar que respiramos. 

Mas pense nisso, nós devemos. Como seguidores de Cristo, não podemos nos dar ao luxo de menosprezar a presença penetrante da mídia em nossas vidas. Pense no poder do entretenimento de vídeo, por exemplo. Independentemente de serem vistos no computador, um player portátil ou um aparelho de TV tradicional, a televisão e o cinema não avaliam sua influência cultural. Ken Myers, um astuto observador cristão da cultura popular, nota que a televisão não é apenas “o meio dominante da cultura popular”, mas também “a realidade compartilhada mais significativa em toda a nossa sociedade”. Ele compara o impacto da televisão ao impacto que o cristianismo séculos atrás, quando o reino de Cristo definiu o mundo ocidental. 

  Nem todos os cidadãos da igreja de Cristo eram cristãos, mas todos entendiam isso, todos eram influenciados por seus ensinamentos… Eu não consigo imaginar nenhuma outra entidade capaz de um papel de unificação cultural exceto a televisão. Na televisão nós vivemos, nos movemos e existimos. 

 Similarmente, o pastor Kent Hughes oferece essa opinião alarmante 

 “Hoje, o brilho persuasivo do aparelho de televisão é a influência e o controle mais poderosos da cultura ocidental. A televisão tem maior poder sobre as vidas da maioria dos americanos do que qualquer sistema educacional, governo ou igreja”. 

Mas não é suficiente reconhecer a autoridade dominante, exercida sobre nossa cultura pela TV, pela Internet e pelo resto da mídia. Devemos avaliar o conteúdo das mensagens da mídia e as consequências de sua influência. 

Começamos por reconhecer que as mensagens da mídia não são nada novas. Essencialmente, o nosso mundo apresenta as mesmas seduções que o mundo do apóstolo João possuía há cerca de dois mil anos.  

Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não vem do Pai, mas sim do mundo”. (1 João 2.16).  

Os cristãos nos dias de João não tinham internet, televisão a cabo ou iPods, mas os desejos da carne já existem desde a queda. Certamente, a embalagem e a entrega das ofertas do mundo avançaram tecnologicamente, mas sua substância permaneceu tão primitiva quanto uma serpente falante. Os cristãos de todas as idades foram obrigados a avaliar sobriamente as tentações encontradas na cultura circundante e a responder de uma maneira que glorifica a Deus. Nós não somos diferentes. Nosso chamado como cristãos envolve resistir à sedução de um mundo caído. 

Embora este artigo esteja focado na mídia televisiva e cinematográfica, os princípios são relevantes para avaliar todas as formas de mídia, as quais incorporam, até certo grau, valores de nosso mundo decaído. Se formos fiéis a resistir aos sempre presentes “desejos da carne, aos desejos dos olhos e ao orgulho das posses”, precisaremos aprimorar nosso discernimento bíblico e avaliar com sabedoria nossa contribuição à mídia, para a glória de Deus. 

Assistindo sem vigilância 

Muitos de nós não pensam em filtrar ativamente a nossa visualização. Desde que evitemos as armadilhas óbvias, como a pornografia, não consideramos a avaliação deliberada necessária. Embora possamos aplicar fielmente as Escrituras em outras áreas da vida, podemos não pensar conscientemente em como a Palavra de Deus se aplica às nossas escolhas de entretenimento. Com demasiada frequência, não pensamos nem sobre o que assistimos nem sobre o quanto. Nossa observação é inevitável. Nós assistimos por hábito. Nós assistimos porque estamos entediados. Nós assistimos de forma desatenta enquanto a TV fica ligada por causa do ruído de fundo. 

Nós assistimos sozinhos ou com os outros. Nós nos reunimos com amigos na sexta à noite e alugamos um DVD porque não há mais nada a fazer. Nós assistimos porque os outros assistem. Todos na escola ou no trabalho estão falando sobre um filme popular. É um sucesso, então precisamos ver. Sem pesquisar seu conteúdo, sem pensar em seu efeito em nossos corações, sem comparar uma noite no cinema com outras opções, vamos e assistimos. Por favor, não entenda mal. Não estou dizendo que é errado assistir televisão, alugar um DVD, navegar na Internet ou passar uma noite no cinema. O perigo é assistir sem pensar. Glorificar Deus é uma busca intencional. Nós não escorregamos acidentalmente e caímos em santidade; em vez disso, amadurecemos gradual e propositadamente, uma escolha de cada vez. Na caminhada cristã, não podemos simplesmente entrar no caminho certo e entender que tudo está bem. O discipulado cristão é uma jornada vitalícia que consiste em uma série de incontáveis passos. Cada etapa é importante e, portanto, nossos hábitos sobre o que vemos são importantes. 

Um estilo de vida com entretenimento visual descuidado deveria nos preocupar 

Um estilo de vida de entretenimento visual descuidado deve nos preocupar. Na melhor das hipóteses, a visão descuidada revela uma ignorância do poder de tentação da mídia. Isso provavelmente indica um grau de preguiça também – e não podemos nos dar ao luxo de ser preguiçosos no que nossas mentes absorvem. O discernimento bíblico envolve um pensamento crítico, que muitas vezes leva a ações dispendiosas. É verdade que crescemos em santificação pela graça de Deus, mas isso não nega que nosso crescimento envolva trabalho. Para amadurecer, precisamos de mentes engajadas que façam perguntas biblicamente informadas sobre as mensagens e métodos da mídia. Além disso, precisamos de perseverança para viajar contra a corrente cultural. 

Para mudar a metáfora, detectar e evitar a tentação é uma batalha; Toda vez que pegamos o controle remoto ou olhamos para as listas de filmes ou nos conectamos, pegamos em armas. Ken Myers descreve esta batalha em termos fortes: 

Eu acredito que o desafio de viver com a cultura popular pode ser tão sério para os cristãos modernos quanto a perseguição e as pragas foram para os santos dos séculos anteriores… Inimigos que vêm em voz alta e visivelmente geralmente são muito mais fáceis de combater do que aqueles que são indetectáveis. 

Pode parecer que Myers exagera o perigo. A cultura pop é tão mortal quanto a perseguição e as pragas? 

Mas acho que ele está certo. Quando se trata de travar a guerra de santificação, um julgamento severo geralmente nos alerta para a batalha, despertando-nos para nossa necessidade de Deus. A cultura popular, especialmente a mídia de entretenimento, muitas vezes nos acalma para ignorar nossa batalha com a carne. 

Nesse conflito, quantos cristãos estão acenando a bandeira branca da rendição ao desvincular seu discernimento quando se trata de mídia? Mas a passividade não é uma opção. Somos chamados a viver propositadamente. Isso significa que devemos observar de propósito e resistir ao estilo de vida da visão passiva. 

 

Assistindo com Imunidade? 

 Ao contrário daqueles que assistem impensadamente, muitos cristãos reconhecem a influência tentadora da mídia, mas assumem que ainda assim, estão imunes ao perigo. Eles acabam assistindo como todo mundo. 

“Afinal de contas”, eles argumentam, “eu não vou assistir a um assassinato na TV e depois sair e matar alguém”. Isso não entende o objetivo. Nossas aspirações de santificação devem ser mais elevadas do que evitar o assassinato. Só porque não imitamos instantaneamente tudo o que vemos, isso não significa que nossos corações não sejam afetados negativamente pelos programas ou filmes que assistimos. Puxando como uma ressaca sutil abaixo da superfície, a mídia pode nos tentar a desviar para o amor ao mundo. 

Cair no mundanismo pode ser lento, seus sintomas não são imediatamente aparentes. Essa tendência de achar-se imune, geralmente é um sinal de uma consciência embotada. A consciência não funciona como um interruptor de luz – em um momento em que as luzes estão acesas, tudo fica escuro com o botão do interruptor. Em vez disso, a sensibilidade de nossa consciência fica embaçada com o tempo, à medida que é resistida ou ignorada. Paulo encarrega o jovem Timóteo de “travar a boa guerra”, mantendo a boa consciência, e adverte-o de que rejeitar uma boa consciência pode levar à condenação da fé (1Tm 1: 18-20). Com o tempo, uma boa consciência que uma vez foi sensível à santidade de Deus e à convicção do Espírito pode tornar-se nublada (1Tm 4: 2). 

A tendência para o mundanismo é sutil, gradual e interna. E se nós assumirmos que estamos imunes a isso, isso é um sinal certo de que começamos a nublar nossas mentes. 

A mídia tem grande poder para influenciar, mas a maioria das pessoas – tanto os cristãos quanto os incrédulos – pressupõe que sua cosmovisão, desejos e opiniões estão a salvo da influência da mídia. Estamos convencidos de que estamos além do alcance. Como é revelador, então, que os anunciantes gastam 215 bilhões de dólares anualmente apenas em comerciais de televisão. Esses dólares de marketing não são presentes de caridade; nosso pensamento é influenciado pelo que assistimos e os anunciantes sabem disso. 

Também tendemos a pensar em nós mesmos como minimamente expostos à mídia, especialmente em comparação a todos os outros. Em uma pesquisa da Roper que revela tanto sobre a natureza humana quanto sobre o consumo de mídia, 96% das pessoas entrevistadas afirmaram que assistiam menos à televisão do que a média das pessoas. Você não precisa de uma análise estatística sofisticada dessa pesquisa para perceber que muitos de nós não têm a menor ideia sobre nossos hábitos sobre a mídia 

Esses exemplos ilustram o que as Escrituras ensinam sobre nossos corações. Eles são pecaminosos e, como resultado, somos propensos ao autoengano.  

Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer? (Jeremias 17: 9)  

Somos mais facilmente tentados do que sabemos ou estamos dispostos a admitir. 

A palavra L 

“Legalismo!” Qualquer ensinamento que defenda algum nível de padrões de audiência será estereotipado em alguns setores como um comprometimento da liberdade cristã. 

Esses estereótipos funcionam nos dois sentidos, é claro. Aquele que defende padrões mais elevados pode tão facilmente escovar todos os detratores como “mundanos” ou “licenciosos”. Enquanto isso, nos colocamos convenientemente no centro: todos aqueles com padrões de entretenimento mais rigorosos do que os nossos são legalistas, enquanto qualquer um que seja mais tolerante é mundano. 

Legalismo, no entanto, não é a questão de ter regras mais rigorosas. É muito mais letal que isso. Isso atinge o cerne do nosso relacionamento com Deus. C. J. Mahaney explica: 

O legalismo está buscando alcançar o perdão de Deus e a aceitação de Deus por meio da obediência a Deus. Em outras palavras, um legalista é alguém que se comporta como se pudesse ganhar a aprovação e o perdão de Deus por meio do desempenho pessoal. 

Corremos o risco do legalismo, estabelecendo padrões de visualização pessoal? Com toda certeza! Mas o risco não está em ter padrões; está em nossa motivação. A questão não é: “Devemos ver seletivamente?” Mas “Por que vemos seletivamente?” Não devemos procurar ganhar o favor de Deus assistindo ou assistindo certos programas. Nosso perdão de Deus e aceitação de Deus é baseado no evangelho – já estamos aprovados por causa da morte, sepultamento e ressurreição de Cristo. Portanto, nossa obediência brota da gratidão pelo evangelho. 

O legalismo é uma condição que pode afetar facilmente a visualização da mídia (ou a falta de visualização) da mesma forma que pode colorir qualquer outra atividade. O legalismo pode manchar nossa leitura da Bíblia, orações, testemunho, alimentação, sono, relações íntimas, trabalho, recreação, brincadeiras. Podemos ser legalistas sobre qualquer coisa! A solução não está necessariamente em reduzir nossos padrões. Está em necessariamente elevar nossa compreensão e resposta à gloriosa graça de Deus. 

Podemos ser legalistas sobre qualquer coisa! A solução não está necessariamente em reduzir nossos padrões 

Outra objeção ao estabelecimento de padrões de visualização é o medo do isolacionismo. Alguns argumentarão que o nosso evangelismo está comprometido quando nos separamos da nossa cultura, e que somos chamados a envolve-la. Há verdade nessa afirmação; mas quando “engajar a cultura” é um eufemismo para “assistir o que quer que seja que todo mundo está assistindo”, nosso testemunho está enfraquecido, não fortalecido. É tolice pensar que o evangelho se espalhará mais poderosamente se escondermos seu efeito transformador em nossas vidas. Embora devamos celebrar qualquer preocupação genuína de alcançar os perdidos, devemos suspeitar de qualquer abordagem que defenda uma ampla acomodação cultural quando se trata de entretenimento. 

Recentemente, uma senhora em nossa igreja comunicou-me sua resistência à ideia de reduzir o consumo de mídia; ela acreditava que assistir programas de TV e filmes atuais permitia que ela se relacionasse melhor com os perdidos. Mas ela chegou a questionar seu próprio raciocínio: “Estou diminuindo meus padrões para manter-me a par da nossa cultura sem realmente atingir ninguém fazendo isso?” Eu a respeito por sua humildade e honestidade. Ela faz uma pergunta perspicaz. 

 Na realidade, não é necessário ser um glutão da mídia para compartilhar o evangelho de maneira eficaz. Podemos nos relacionar significativamente com as pessoas em nossa cultura sem nos imergirmos nos últimos entretenimentos. Podemos estar conscientes da cultura popular sem sermos cativos dela. Nossa relevância e testemunho pessoal e corporativo não serão prejudicadas ao aplicar padrões bíblicos à nossa entrada de mídia. 

Isso nos leva a explorar uma abordagem motivada pela graça para o consumo de mídia. Começamos, mais apropriadamente, com Deus. 

 

Vivendo Coram Deo 

Coram Deo é uma frase em latim curta que contém um forte efeito: “diante da face de Deus”. Todos os aspectos de nossa existência – de pensamentos particulares a palavras e ações públicas – são vividos diante de sua face. Corretamente considerado, viver o Coram Deo desperta nosso temor a Deus. A pessoa que está ciente de que Deus está sentado de frente para o centro e observando tudo temerá o Senhor. E isso é bom, pois “o temor do Senhor é o princípio do conhecimento” (Provérbios 1: 7). 

O temor de Deus é o nosso ponto de partida; não é a graduação do discipulado cristão. Temendo a Deus é onde nós começamos em nossa busca de conhecimento e sabedoria. O tolo, por outro lado, é aquele cuja mentalidade de governo exclui a realidade de Deus (Sl. 14: 1). 

O que tudo isso tem a ver com o uso da mídia? Em poucas palavras, significa navegar na Internet, ouvir rádio, assistir televisão ou alugar um DVD na presença de Deus. Nós fazemos nossas escolhas – todas as nossas escolhas – com a face santa de Deus em vista. Não é o olhar de nosso pastor, pai, companheiro de pequeno grupo ou vizinho incrédulo que mais importa. Somos responsáveis perante Deus em todas as coisas, incluindo nosso entretenimento. 

Wayne Wilson traz a tona essa triste verdade: “Somos responsáveis perante Deus e o rótulo de ‘arte’ na expressão humana não remove essa responsabilidade da maneira mais leve”.  

Deus é santo e nós não somos. Coram Deo, percebemos que estamos em apuros – nossos olhos têm sido cobiçosos, nossas imaginações têm transgredido a lei, nosso tempo foi desperdiçado. Precisamos correr para a cruz onde a santidade e a misericórdia de Deus se cruzam decisivamente. 

Coram Deo, encontramos graça. Graça que perdoa. Graça que nos capacita a mudar. Graça que nos leva a desejar e buscar obediência. Qualquer discussão sobre obediência bíblica, incluindo diretrizes de entretenimento, deve brotar de uma sólida compreensão da graça. 


Referências 

  1. Dan Andriacco, Taming the Media Monster (Cincinnati, OH: St. Anthony Messenger Press, 2003), 5.
    2. Kenneth A. Myers, All God’s Children and Blue Suede Shoes (Wheaton, IL: Crossway Books, 1989), 160.
    3. R. Kent Hughes, Set Apart (Wheaton, IL: Crossway Books, 2003), 51.
    4. Myers, All God’s Children and Blue Suede Shoes, xii–xiii.
    5. C. J. Mahaney, The Cross Centered Life (Sisters, OR: Multnomah, 2002).
    6. Wayne A. Wilson, Worldly Amusements (Enumclaw, WA: Winepress, 1999), 73. 
Originalmente publicado em inglês como: “ Christianswhat are you watching?” por Craig Cabaniss. Usado com permissão da Crossway, a publishing ministry of Good News Publishers, Wheaton, IL 60187, www.crossway.org. 
Traduzido por Igor José

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comentários do Facebook