Inteligência artificial será usada para mapear risco de câncer de pulmão

Software será usado pela 1ª vez no Brasil, em parceria entre o Hospital Sírio-Libanês e a Siemens; iniciativa prevê varredura em 4 mil laudos de tomografias de tórax por mês, em busca de nódulos. É o terceiro centro médico no mundo a utilizar a tecnologia

Novo software está sendo ‘treinado’ para identificar nódulos em pacientes de maior risco, em que aumentam as chances de lesão maligna [Foto: Gabriela Bilo / Estadão]

SÃO PAULO – Pela primeira vez no Brasil, um software de inteligência artificial será capaz de mapear nódulos pulmonares em exames de rotina e revelar aos médicos quais pacientes têm maior risco de desenvolver câncer de pulmão, um dos tipos de tumor mais letais.

Anunciado na semana passada, o projeto é uma parceria entre o Hospital Sírio-Libanês e a Siemens Healthineers. As duas instituições firmaram um acordo de cooperação de dois anos que prevê uma varredura em laudos de tomografias do tórax de pacientes do hospital com o objetivo de identificar nódulos achados incidentalmente.

Assine o Blesss

“Imagine uma situação em que o paciente faz um exame de rotina ou vai a um pronto-socorro por uma tosse, buscando outra doença, e é descoberto naquele exame um nódulo no pulmão. Pode acontecer que, depois de resolvido o problema que o levou ao hospital, ele não faça o acompanhamento desse nódulo e ele evolua para um câncer. É isso que queremos evitar”, explica Armando Lopes, diretor da Siemens Healthineers no Brasil.

Mas como nem todos os nódulos evoluem para lesões malignas, o software está sendo “treinado” para identificar somente aqueles casos com maior risco, em um processo chamado de machine learning (aprendizado de máquina). “Nessa parceria, estamos definindo critérios para ensinar o software a apontar somente os nódulos com maior chance de malignidade”, explica Cesar Nomura, um dos diretores da área de Medicina Diagnóstica do Sírio-Libanês.

Redação: Visão Cristã
Com informação do Estadão

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comentários do Facebook