Na Paraíba, Polícia organiza liberação de combustível no Porto de Cabedelo

Em Brasília, o presidente Michel Temer fez um pronunciamento ao vivo pelo TV e, em seguida, entrou com uma arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF), com pedido de liminar no Supremo Tribunal Federal, com o objetivo de obter uma decisão única que permita o desbloqueio das rodovias do País

A liberação foi negociada com caminhoneiros que estão em greve desde a última segunda-feira [Foto: Correio da Paraíba]

A Polícia Militar está no Porto de Cabedelo organizando o movimento de liberação de combustíveis para abastecimento de serviços essenciais na Paraíba.

A liberação foi negociada com caminhoneiros que estão em greve desde a última segunda-feira (21) protestando contra preços abusivos dos combustíveis.

Assine o Blesss

Segundo o capitão Kelton, somente estão sendo liberados caminhões de postos que atestem prestar serviços para estado ou município.

– Estamos dando suporte aqui para que não ocorra tumulto. Eles precisam atestar em documento que o posto presta serviços, pois o combustível liberado é para ambulâncias, viaturas de polícia, geradores de hospitais, serviços essenciais. Estamos organizando para que eles saiam e consigamos atender o maior número de cidades possível – explicou.

As declarações repercutiram na Rádio Correio FM

JÁ EM BRASÍLIA

Em Brasília, o presidente Michel Temer fez um pronunciamento ao vivo pelo TV e, em seguida, entrou com uma arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF), com pedido de liminar (decisão provisória), no Supremo Tribunal Federal (STF), com o objetivo de obter uma decisão única que permita o desbloqueio das rodovias do país.

O relator sorteado para analisar a ADPF foi o ministro Alexandre de Moraes, que pode proferir uma decisão a qualquer momento.

A medida foi tomada após cinco dias de paralisação dos caminhoneiros, o que tem provocado o desabastecimento, principalmente de combustíveis, em diversas cidades do país. A categoria reivindica, entre outras coisas, a retirada de impostos sobre o diesel.

Na peça, assinada pelo próprio Temer e também pela advogada-geral da União, Grace Mendonça, o governo relata já ter entrado com dezenas de “ações pulverizadas” por todo o país, mas que decisões conflitantes têm sido proferidas sobre o tema, com alguns juízes concedendo liminares para liberar rodovias enquanto outros a negam.

Redação: Visão Cristã
Com informação do Paraibaonline

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comentários do Facebook