O Céu Secular de “The Good Place”, série da NBC

The Good Place segundo a Bíblia
The Good Place é uma das séries de comédia mais aclamadas pela crítica no momento. Como pensar sobre ela por uma perspectiva bíblica e cristã? (Foto: Reprodução)

Como estudante de seminário em período integral, muitas vezes sofro de esgotamento teológico. Depois de ler centenas de páginas de Agostinho, Tomás de Aquino, Lutero e Tertuliano, nada soa tão refrescante quanto relaxar com alguns episódios de The Office ou The Great British Baking Show .

Recentemente, porém, decidi conferir uma série de comédia que eu não sabia nada sobre: The Good Place da NBC.  Mas, em vez de encontrar outra sitcom esquecível, descobri algo muito mais: talvez o programa mais inteligente, original e intrigante da televisão.

Assine o Blesss

The Good Place, que recentemente concluiu sua segunda temporada, é muitas coisas, mas um descanso de investigações teológicas e enigmas éticos, certamente não é.

Uma série sobre o céu (mas não o céu da Bíblia)

Em The Good Place, Kristen Bell estrela como Eleanor Shellstrop. Quando nos encontramos Eleanor, ela está sentada sozinha em um sofá em uma sala de espera aleatória com as palavras “Bem-vindo! Está tudo bem” escritas na parede. Michael (perfeitamente interpretado por Ted Danson) abre a porta e chama Eleanor em seu escritório, onde ele informa a ela que ela morreu e agora está no “Bom Lugar”, isto é, o céu. Este não é o céu da Bíblia, no entanto. Quando se trata da vida após a morte, “os hindus estão um pouco certos, os muçulmanos um pouco, judeus, cristãos, budistas”, diz Michael. “Cada religião adivinhou cerca de 5 por cento.”

No universo do show, as ações de todos são rastreadas desde o momento em que nascem até o último suspiro. Se as suas boas obras na terra superam as ruins, bem-vindo ao The Good Place! Na chegada, os moradores descobrem um bairro onde “todos os detalhes foram projetados e calibrados com precisão” para sua diversão. Eles se mudam para a casa dos sonhos e encontram sua única alma gêmea. Aqueles que não são escolhidos – “basicamente todos os artistas de todos os tempos, e todos os presidentes dos EUA, exceto Lincoln” – são enviados ao “Mau lugar” por uma eternidade de tortura.

Michael, o arquiteto do Bom Lugar, diz a Eleanor que seu meritório trabalho humanitário solidificou seu lugar no bairro. Há apenas um problema: enquanto ela estava viva na terra, Eleanor era uma pessoa egoísta e insuportável. Ela foi confundida com uma advogada virtuosa dos direitos humanos e, na verdade, pertence às almas atormentadas no Mau Lugar.

Ela confessa esta informação sensível à sua alma gêmea designada, Chidi (William Jackson Harper), um ansioso professor de ética senegalês, que concorda em ensinar Eleanor a ser boa para que ela possa evitar a detecção e conquistar seu lugar em The Good Place. Chidi dá a Eleanor (e ao público) um guia para iniciantes de Immanuel Kant, Soren Kierkegaard, Utilitarismo, Aristóteles, David Hume, Deontologia, Existencialismo e, é claro, o Dilema do Bonde, entre muitos outros conceitos e pensadores filosóficos. Seu progresso moral é testado através de interações com sua vizinha, Tahani (Jameela Jamil), uma socialite e filantropa auto-absorvida; A alma gêmea de Tahani, um monge budista supostamente silencioso chamado Jianyu, que na verdade acaba sendo um DJ “pré-sucedido” chamado Jason (Manny Jacinto); e todos os outros moradores desta comunidade divina, especialmente Michael, a única pessoa com o poder de expulsá-la do paraíso.

The Good Place: Seriedade moral refrescante

Essa seriedade moral torna The Good Place um show refrescante e instigante. Muito do nosso entretenimento favorece o menor denominador comum, usando pontos de enredo planejados e escrita obscena para obter risadas baratas. The Good Place eleva o nível, pedindo ao público que lide com perguntas sobre o que significa ser bom, como podemos realmente amar o próximo e se podemos ou não nos justificar por nossos próprios méritos. Para Eleanor e sua turma, a ética é uma questão de vida ou morte – literalmente.

 The Good Place pede ao público para lidar com questões sobre o que significa ser bom, como podemos realmente amar o próximo e se podemos ou não nos justificar por nossos próprios méritos.

A comédia é um veículo adequado para esse assunto grave; a escrita é engraçada e diferente de tudo na televisão agora. Eu não quero revelar nenhum grande spoiler, mas basta dizer que The Good Place tem reviravoltas audaciosas que nunca se anteciparia em uma sitcom de rede. De fato, quase todos os episódios me deixaram com uma compreensão mais profunda da complexidade da natureza humana e dos meus incontáveis ​​fracassos em viver de acordo com os padrões éticos que afirmo manter.

Colleen Hayes / NBC

Desde a estreia em 2016, o programa se tornou um queridinho crítico, recebendo ótimas críticas e uma base de fãs devotos. O que faremos com uma história sobre a vida após a morte sendo um dos programas mais populares da televisão, em um momento em que parece haver mais e mais pessoas concordando com Stephen Hawking, que via “o cérebro como um computador que pararia de funcionar quando seus componentes falham ”?

A morte – e o que acontece depois do nosso último batimento cardíaco – continua sendo uma fonte de profunda ansiedade e medo. Simplesmente não há como saber, sem sombra de dúvida, o que nos espera do outro lado – ou se há outro lado. Muitas vezes procuramos entretenimento que nos permite ignorar esse fato solene, pelo menos por uma ou duas horas. The Good Place, por outro lado, recusa-se a esconder-se da crise existencial que todos compartilhamos, preferindo encará-lo com humor e profundidade.

Alguém é bom o suficiente para o bom lugar?

Se eu for honesto, parte de mim anseia pelos cálculos em preto e branco, certos e errados de The Good Place. Mentira para o meu professor: -100 pontos. Ajude um motorista encalhado a consertar seu pneu furado: +200 pontos. Esse sistema nos coloca no controle de nosso destino, e o que quer que aconteça conosco, para o bem ou para o mal, é por causa de nossa própria ação. Eu gosto da ideia de ser responsável pelo meu destino. Eu poderia ser bom o suficiente para o bom lugar, digo a mim mesmo.

Essa compreensão da vida após a morte não é de forma alguma uma crença marginal. Em 2015, o Pew Research Center divulgou um estudo mostrando que 7 em cada 10 americanos acreditavam em um paraíso “onde as pessoas que levaram uma vida de bondade são eternamente recompensadas”. A crença predominante na América é que The Good Place é de fato um lugar que ganhamos modificação de comportamento e vida ética. Basta ler uma livraria local ou uma lista de bestsellers da Amazon – sim, até mesmo os títulos cristãos, infelizmente – para reconhecer quão profundamente esta mensagem de auto-ajuda, “seja você mesmo” está enraizada em nossa consciência coletiva. Ansiamos pelas 12 regras, pelos procedimentos comprovados, pelos sete passos, pela mágica transformadora de vida que nos ensinará como realizar mais, encontrar a felicidade e ser melhor – para que possamos fazer o que for necessário para terminar no Bom Lugar.

 Basta ler atentamente uma livraria local ou uma lista de best-sellers da Amazon – sim, até mesmo os títulos cristãos – para reconhecer quão profundamente esta mensagem de auto-ajuda, “seja você mesmo” está enraizada em nossa consciência coletiva.

Mas isso é realmente desejável? Porque mesmo nossos melhores trabalhos e atos mais nobres ficam aquém, revelando em nós a desesperada necessidade de um Salvador.

Eleanor é confrontada com essa realidade quando ela percebe que seus atos de bondade estão enraizados na autopreservação. Sob esse critério – essa lei – ninguém, nem mesmo Chidi, que dedicou sua vida a estudar como viver eticamente, passa no teste todas as vezes. A esperança do evangelho não é que, se fizermos o bem suficiente, possamos ser declarados justos, mas que, enquanto éramos pecadores , sendo ímpios, Cristo morreu por nós, libertando-nos do fardo impossível de ganhar o Bom Lugar. A única coisa que podemos fazer, a única coisa que devemos fazer, é reconhecer que não há nada que possamos fazer; Cristo já fez tudo na cruz.

Estar livre da lei da autojustificação, no entanto, não significa que as lições de ética de Chidi não tenham nada de valor para nós. A questão crucial que The Good Place explora é esta: como devemos então viver? Para os cristãos, a resposta é que a graça não depende de nossas boas obras, mas a graça nos liberta para fazer boas obras corretamente.

“Porque você se apegou a Cristo pela fé, através de quem você é justo, você deve agora ir e amar a Deus e ao seu próximo”, disse Martinho Lutero em suas palestras sobre Gálatas. “Estas são verdadeiramente boas obras, que fluem desta fé e alegria concebidas no coração, porque temos o perdão dos pecados livremente por meio de Cristo”.

Como cristãos, nosso futuro com Cristo é seguro, e podemos descansar nesse fato. The Good Place, no entanto, é um lembrete muitas vezes necessário de que a maneira como vivemos aqui e agora, em nossas comunidades e através de nossas vocações, tem ramificações eternas.


Cort Gatliff é um escritor que vive em Birmingham, Alabama, com sua esposa, Abby. Ele estudou jornalismo e literatura inglesa na Universidade do Tennessee e está desenvolvendo um MDiv na Beeson Divinity School.


Texto publicado originalmente por The Gospel Coalition

Tradução: Luciana Petersen

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comentários do Facebook