Qual deve ser a relação do cristão com o Estado segundo a Bíblia?

O cristão e o Estado, política, eleições 2018, congresso nacional,
A palavra de Deus contém diretrizes que devem ser aplicadas pelos governantes em qualquer sistema governo. Pensando nisso, qual deve ser a relação do cristão com o Estado, entre governantes e governados, segundo a Bíblia?

A palavra de Deus contém diretrizes que devem ser aplicadas pelos governantes em qualquer sistema governo. Pensando nisso, qual deve ser a relação do cristão com o Estado, entre governantes e governados, segundo a Bíblia?

Este estudo faz parte da série A Relação do Cristão com o Estado que você encontra no Blesss.

Assista também: A legitimidade e os limites do Governo e da política na teologia da Reforma.

O Cristão e o Estado

Assine o Blesss

João Batista falou em uma espécie de monarquia controlada por um império externo, bem como Paulo e Jesus Cristo.

Nem por isso, eles deixaram de dar diretrizes para governantes e governados. Nem por isso, Jesus deixou de relembrar aos governantes de que eles eram responsáveis perante Deus por suas ações.

“O governo preconizado na palavra de Deus tem funções específicas, devem garantir princípios de justiça e os governantes são responsabilizados perante Deus para que cumpram com justiça o que lhes foram colocados nas mãos.”– Solano Portela

O que Cristo teve a ver com o Governo?

Vamos identificar interações de Jesus com o governo humano e extrair diretrizes válidas para o governo de nossos dias?

Durante toda sua vida, Jesus interagiu com o governo dos homens, principalmente porque os regentes do povo e até mesmo os discípulos muitas vezes confundiam as promessas messiânicas como se Jesus tivesse vindo para realizar um governo humano, derrotando o Império Romano e restaurando o domínio dos judeus sobre a Terra.

“As pessoas, cegas pelo pecado, não entendiam o caráter transcendente do Reino que estava sendo estabelecido pelo Filho do Homem.” – Solano Portela

Jesus foi levado até a morte pela rejeição de sua mensagem religiosa, não política. Pela incredulidade dos líderes religiosos e pela visão curta da multidão, que queria a resolução dos problemas temporais que estavam passando, mas recusavam-se a se render à mensagem do Evangelho.

Os judeus tinham o poder de induzir as autoridades civis à execução de uma sentença, e assim o fizeram ao condenar Jesus à morte por suas declarações de ser o Messias, filho de Deus, que tira o pecado do Mundo.

Assista este Estudo na integra no Blesss

Ainda nesse estudo, Solano Portela analisa as interações de Jesus com o Governo desde antes do seu nascimento, passando por sua infância, vida e ministério. Entenda as diretrizes estabelecidas por Jesus a respeito do Estado nessa série do Blesss.


Solano Portela é bacharel em matemática aplicada pelo Shelton College. É também formado em teologia em nível de Mestrado pelo Biblical Theological Seminary, nos Estados Unidos. Autor de: “O que estão ensinando aos nossos filhos?” – uma análise da pedagogia contemporânea e da resposta de uma educação escolar cristã”; “Educação Cristã”? (FIEL); “A Lei de Deus Hoje”, “A Pena Capital e a Lei de Deus, “Disciplina na Igreja – a marca em extinção”, “Por Que a Fé Reformada”? e “Fazendo a Igreja Crescer” (Puritanos); “Cinco Pecados que Ameaçam os Calvinistas” (PES); “Fé Cristã e Misticismo” (Cultura Cristã); “Fundamentos Bíblicos da Educação” (ACSI); alguns desses em coautoria. É presbítero, serve na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro (São Paulo), onde leciona uma classe de Escola Dominical e prega periodicamente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comentários do Facebook